sexta-feira, 15 de dezembro de 2017

Decapitated - Anticult (2017)



Decapitated - Anticult (2017)
(Shinigami Records/Nuclear Blast Records - Nacional)


01. Impulse
02. Death Valuation
03. Kill The Cult
04. One-Eyed Nation
05. Anger Line
06. Earth Scar
07. Never
08. Amen

Eis aqui uma resenha controversa por diversos motivos. O primeiro deles é extramusical, afinal, qualquer headbanger minimamente informado sabe das pesadas acusações que recaem sobre a banda no momento, nas quais seus integrantes estão sendo acusados, em diferentes níveis, de terem estuprado uma fã da banda nos Estados Unidos. O julgamento se dará no dia 16 de janeiro de 2018 e atualmente Rafal Piotrowski (vocal), Vogg (guitarra), Hubert Więcek (baixo) e Michał Lysejko (bateria) aguardam o mesmo em liberdade, mas impedidos de manterem contato um com o outro sem a presença de advogados, e claro, com seus passaportes confiscados.

Agora, vamos abordar o lado musical. Quando surgiu em 2000, com Winds of Creation, o Decapitated se destacou não só pela juventude de seus integrantes (as idades variavam entre 16 e 19 anos), mas por executar um Technical Death Metal de primeiríssima qualidade. Não demorou muito para assumirem uma posição de destaque no cenário, graças aos álbuns seguintes, Nihility (02), The Negation (04) e Organic Hallucinosis (06). Então veio o fatídico dia 29 de outubro de 2007, quando um acidente com o Tourbus em uma estrada da Bielorússia vitimou o baterista Vitek e encerrou a carreira do vocalista Covan, devido às sequelas sofridas pelo mesmo. Após 2 anos de hiato, Vogg resolveu voltar acompanhado de novos músicos e continuar escrevendo a história do grupo.

De lá para cá, tivemos Carnival Is Forever (11), Blood Mantra (14) e agora Anticult, trabalhos que despertaram reações diversas nos fãs, já que Vogg nunca hesitou em fazer o Decapitated explorar novos territórios para a sua música. E aqui isso não é diferente, já que temos uma continuação e evolução natural de seu trabalho anterior, com o Groove Metal se fazendo ainda mais presente. Sendo assim, prezado amigos, não esperem aqui um retorno aos primórdios da banda, com aquele  Technical Death Metal de outrora. O que temos em Anticult se aproxima bem mais de um álbum de Groove com toque de Death. 


E isso é ruim? Obstante muitos fãs por aí estarem torcendo o nariz, o resultado passa longe de ser ruim, até porque mesmo que quisessem, o lado técnico da música do quarteto não conseguiria ser extirpado, algo que pode ser observado já na abertura, com “Impulse”, que apesar do Groove, possui boa dose de técnica e muitas mudanças de tempo. É um dos destaques aqui, assim como “Death Valuation”, que não esconde sua influência de Pantera, com sua bateria simplesmente furiosa e riffs que deixaria Dimebag orgulhoso. Outros destaques ficam com a grooveada “Kill The Cult”, com um ótimo trabalho de guitarra, a diversificada “One-Eyed Nation”, “Earth Scar”, com seus ótimos riffs e melodias e “Never”, com toda a sua agressividade e boas linhas vocais.

A produção ficou por conta de Vogg, com mixagem de Daniel Bergstrand (Abbath, Dimmu Borgir, Behemoth, In Flames, Meshuggah) e masterização realizada por Lawrence Mackrory, vocalista do Darkane. O resultado final é muito bom, já que apesar de tudo muito claro e audível, ainda assim o trabalho soa pesado e agressivo. Já a capa e o restante da parte gráfica foram obra de Lukasz Jaszak (Behemoth, Emperor, Alcest), sendo bem impactante.

Os fãs mais antigos torcerão o nariz com Anticult? Com toda certeza, e não tenho dúvidas que uma parte dos mesmos debandará. Por outro lado, tal sonoridade aqui adotada abre possibilidade de conquista de novos fãs, de um público maior, algo que parecia acontecer antes do lamentável episódio ocorrido alguns meses atrás, e que se confirmado, decretará merecidamente o fim da banda (afinal, se tal violência tiver realmente ocorrido, não podemos “passar pano” para a banda apenas por gostarmos de sua música). É esperar as cenas dos próximos capítulos e ver o que o futuro reserva para Piotrowski, Vogg, Wiecek e Lysejko, se a cadeia ou a continuação da carreira.

NOTA: 8,5

Decapitated é:
Rafal Piotrowski (vocal);
Vogg (guitarra);
Hubert Więcek (baixo);
Michal Lysejko (bateria).

Homepage
Facebook
Twitter
YouTube


quarta-feira, 13 de dezembro de 2017

Carniça - Carniça (2017)


Carniça - Carniça (2017)
(Blasphemic Art Distro/Petrol Music Underground - Nacional)


01. The March (of the Rotten Souls)
02. Terrorzone
03. Revolução Farroupilha
04. War Games to Die
05. Carniça
06. The Old Butcher
07. The Putrid Kingdom
08. Midnight Queen (Sarcófago Cover)

E lá se vão 26 anos de carreira, contando o hiato de 4 anos em meados da primeira década de 2000, e os veteranos gaúchos do Carniça chegam ao seu 4º trabalho de estúdio. Pode parecer uma produção modesta para tanto tempo de estrada, mas não podemos esquecer que o underground é muitas vezes injusto com as bandas, que precisam encarar muitas dificuldades para conseguir lançar um único trabalho. Apenas os que realmente amam o estilo conseguem sobreviver aos percalços do tempo.

Quem conhece o trabalho do trio formado por Mauriano Lustosa (vocal), Parahim Neto (guitarra) e Marlo Lustosa (bateria) — após a gravação o baixista Marcelo Zabka se juntou à banda — sabe bem o que vai encontrar aqui: um Thrash/Death muito bem feito, pesado, agressivo, enérgico, mas com algumas boas doses de melodia oriundas das influências de Heavy Tradicional, que ficam evidentes em muitas passagens aqui presentes.

Após a breve introdução, “Terrorzone” chega quebrando tudo, bem direta e com boa alternância de ritmo (algo comum durante toda a audição). O trabalho da parte rítmica se destaca bastante. Na sequência, “Revolução Farroupilha” vem com sua letra em português e uma levada bem cadenciada, além de melodias que remetem ao Metal Tradicional.


O trabalho de guitarra em todo o álbum é realmente muito bom, se destacando pelos ótimos riffs, algo observável em canções como “War Games to Die”, mais puxada para o Thrash, e na bruta “Carniça” (outra em português). Já o lado Death Metal fica mais evidente em canções como a técnica “The Old Butcher” e a diversificada “The Putrid Kingdom”, que conta com vocais de Flávio Soares (Leviaethan). Fechando, um ótimo cover para “Midnight Queen”, do Sarcófago, que contou com a participação do ex-guitarrista da banda mineira, Fábio Jhasko, no violino.

A produção foi realizada pela própria banda em parceria com Augusto Haack, tendo ficado simples e bem-feita, apesar de um pouquinho mais crua que o ideal, mas nada que comprometa o resultado final. Já a capa foi obra de Eduardo Monteiro, que conseguiu transportar para ela o massacre sonoro do trio. Esbanjando vigor, agressividade e mostrando boa variação rítmica, o Carniça presenteou os fãs de Thrash/Death com mais um belo trabalho, que vai deixar muito nego cascudo aí com dores no pescoço.

NOTA: 8,0

Carniça é:
- Mauriano Lustosa (vocal);
- Parahim Neto (guitarra);
-  Marcelo Zabka (baixo);
- Marlo Lustosa (bateria).

Facebook
YouTube

terça-feira, 12 de dezembro de 2017

Escarnnia - Humanity Isolated (2017)


Escarnnia - Humanity Isolated (2017)
(Classic Metal - Nacional)


01. Total Death
02. Condemned to Kill
03. Eternal Hatred
04. Rotten Spirit
05. Humanity Isolated
06. A Moment of Compassion
07. The Evil Spell
08. Suicidal Beliefs
09. Suffering and Desolated
10. Back in Time

Vem do Tocantins, um estado sem muita tradição na música pesada, mais um bom nome do cenário Death Metal Nacional. O Escarnnia surgiu no ano de 2012 e conta em sua formação com Ismael Santana (vocal/guitarra), Valber Sousa (guitarra), Natanael dos Santos (baixo) e Samuel dos Santos (bateria), sendo que Humanity Isolated é seu álbum de estreia. E posso dizer sem exagero que ele vai surpreender muitos por ai.

Musicalmente, o quarteto tem seus pés muito bem fincados naquela sonoridade do início dos anos 90, com uma influência mais nítida do Death, mais alguns ecos das bandas inglesas do mesmo período, além de algo de Thrash aqui e ali. Os vocais se mostram bem variados, enquanto as guitarras despejam não só bons riffs, como também alguns duetos típicos do Metal Tradicional. A parte rítmica mostra diversidade, técnica, peso e coesão.

 

São 10 canções que primam principalmente pela boa variedade e nenhuma está abaixo da média. Os destaque inevitáveis ficam por conta de “Total Death”, bruta, com muitas mudanças de tempo e bom trabalho de baixo/bateria, as enérgicas e com um pé no Thrash “Condemned to Kill” e “Rotten Spirit”, as mais cadenciadas e muito bem trabalhadas “Eternal Hatred” e “Humanity Isolated”, e a enérgica “The Evil Spell”, que se destaca pelo bom trabalho de guitarra.

Gravado no Estúdio Lamparina/SP, o álbum teve produção, mixagem e masterização feitas por Tiago Hóspede (Worst), com bons resultados. Tem uma dose de crueza, mas sem exageros, já que tudo ficou claro, audível e pesado. Já a capa foi obra de J. Duarte, da J. Duarte Design, que já trabalhou com nomes como Angra, Torture Squad, Circle II Circle, Metal Church, Woslom, dentre outros. No final, temos em mãos um bom álbum de Death Metal, de uma banda que, se não prima pela originalidade, se destaca pela qualidade, além de mostrar muito potencial de crescimento.

NOTA: 8,0

- Ismael Santana (vocal/guitarra);
- Valber Sousa (guitarra);
- Natanael dos Santos (baixo);
- Samuel dos Santos (bateria).

Facebook
Soundcloud
YouTube


Imperador Belial/Into the Cave - True Horror Tales (2016) (Split)


Imperador Belial/Into the Cave - True Horror Tales (2016) (Split)
(Lord Grave / Anton’s Hell Records / Obskure Chaos Distro / Hell Music Label / Impaled Records / Satanic Sounds Records / Nightmare Productions / Wolf War - Nacional)


Imperador Belial
01. Intro: Satanic Chance
02. Erzébet Bathory
03. White Chapel’s Killers
04. Blasphemy (Kabarah Cover)
05. O Opositor
06. Total Destruction (Bathory Cover)
Into The Cave
07. Crowned Princes Of Hell
08. Nazarene’s Death
09. Entropy
10. Coffin Joe
11. Lovecraft

Uma das coisas que mais gosto em splits é a possibilidade de conhecer bandas de qualidade em dobro. Aqui, temos a junção de duas bandas oriundas do estado do Rio de Janeiro, o já veterano Imperador Belial, com quase 20 anos de carreira (surgiram em 1998), e o Into the Cave, um duo que conta com músicos/ex-músicos do próprio Imperador. E amigos, o que temos aqui é uma verdadeira viagem no tempo, um retorno aos primórdios da música extrema.

Na época da gravação, o Imperador Belial contava em sua formação com o vocalista R. Inkubus, o guitarrista Chaos (guitarra), o baixista Washington Marchon (posto atualmente ocupado por Bode de Sade) e o baterista Bitch Hünter (substituído posteriormente por Wrath). Musicalmente, temos um som calcado naquela 1ª geração do Black Metal, ou seja, Venom, Hellhammer, Celtic Frost e afins. Já o duo Into the Cave, como já dito, possui uma ligação direta com o Imperador, já que é composto por seu vocalista e seu ex-baterista (que aqui toca todos os instrumentos) e mostra-se um pouco mais ríspido e agressivo, já que sua música segue mais a linha praticada por nomes como o brasileiro Sarcófago e o canadense Blasphemy.


No “lado” que cabe ao Imperador Belial, temos 6 músicas, contando com a intro “Satanic Chance”, retirada de uma clássica cena do filme de terror mexicano Alucarda, e que se encaixa com perfeição na proposta da banda. Entre os destaques, além dos covers para “Blasphemy” (Kabarah) e “Total Destruction” (Bathory), podemos citar a brutal e obscura “Erzébet Bathory” e a violenta “O Opositor”, com ótimos riffs e onde deixam sua mensagem mais do que explícita. Já o Into the Cave nos apresenta 5 faixas que transbordam agressividade. Rispidez, velocidade e pouca variação dão o tom aqui, o que não diminui em nada a qualidade do material. Destaques ficam com as duas faixas que fecham o trabalho, “Coffin Joe” e “Lovecraft”, que mostram mais diversidade, alternando velocidade com momentos mais cadenciados e sombrios.


A produção é totalmente condizente com a proposta das bandas, de resgatar aquele som oitentista que marcou os primórdios da música extrema, crua e suja, mas ainda assim permitindo que escutemos todos os instrumentos. True Horror Tales é um trabalho feito na medida para os fãs de nomes como Venom, Hellhammer, Sarcófago, Bathory, Celtic Frost, Possessed, dentre outras. Uma verdadeira aula de agressividade e violência musical.

NOTA: 8,0

Imperador Belilal é:
- R. Inkubus (vocal);   
- Chaos (guitarra);
- Bode de Sade (baixo);
- Wrath (bateria).

Facebook
Bandcamp
YouTube

Into the Cave é:
- R. Inkubus (vocal);
- Bitch Hünter (todos os instrumentos).

Facebook
Bandcamp
YouTube


sexta-feira, 8 de dezembro de 2017

Rage - Seasons Of The Black (2017)


Rage - Seasons Of The Black (2017)
(Shinigami Records/Nuclear Blast Records - Nacional)


CD 1
01. Season Of The Black
02. Serpents In Disguise
03. Blackened Karma
04. Time Will Tell
05. Septic Bite
06. Walk Among The Dead
07. All We Know Is Not
08. Gaia
09. Justify
10. Bloodshed In Paradise
11. Farewell
CD 2
01. Adoration
02. Southcross Union
03. Assorted By Satan
04. Faster Than Hell
05. Sword Made Of Steel
06. Down To The Bone

Contando o período em que se chamava Avenger, já se vão 34 anos de carreira, e o Rage chega à incrível marca de 23 álbuns de estúdio lançados (fora os incontáveis EP’s, singles e material ao vivo). Há 2 anos, as coisas ficaram um tanto complicadas para Peter "Peavy" Wagner quando o guitarrista Victor Smolsk e o baterista André Hilgers saíram da banda, deixando-o sozinho, mas ele não esmoreceu: recrutou Marcos Rodríguez (guitarra) e Vassilios "Lucky" Maniatopoulos (bateria) e soltou no ano seguinte The Devil Strikes Again, um álbum direto, pesado e que mostrava uma banda revigorada e buscando um retorno às suas raízes.

Com Seasons Of The Black, o trio alemão se mantém firme nessa caminhada, já que aqui temos uma continuação mais que natural do anterior (até pelo pouco tempo de intervalo entre os mesmos). Soando despojado, não é exagero dizer que temos um resgate daquela vibração dos anos 80 e 90, já que a pompa da “era Smolsk” foi deixada de lado em prol daquilo que podemos definir como a essência do Rage, ou seja, muito peso e melodia (com o primeiro prevalecendo em muitas passagens).

Os vocais de Peavy continuam se mantendo muito característicos, o que acaba por ser uma qualidade. Marcos Rodriguez realiza um belo trabalho com sua guitarra, já que além de imprimir boas melodias, nos entrega riffs bastante agressivos, que podem te fazer viajar no tempo, à época dos antigos clássicos da banda, como Perfect Man (88), The Missing Link (93) e Black in Mind (95). Quanto à parte rítmica, o trabalho é muito bom, com a dupla Peavy/Lucky mostrando técnica, coesão, peso e muita variedade.

A abertura, com “Season Of The Black”, empolga pelos riffs fortes e pelo refrão grudento, enquanto a enérgica “Serpents In Disguise” traz aquele clima dos anos 80/90 à tona, com o peso sobrepujando as melodias e ótimos vocais de apoio a cargo de Marcos (algo que se repete em diversos outros momentos em todo o álbum). Nem mesmo o refrão que se repete um pouco além da conta estraga essa canção. Essa pegada mais pesada prevalece também em “Blackened Karma”, outra com riffs marcantes e melodias agradáveis. “Time Will Tell” soa mais acessível e poderia estar sem problema algum em um álbum como End of All Days (96), enquanto a forte e pesada “Septic Bite” tem um pé bem fincado no Thrash e te faz viajar à época de The Missing Link.


Já “Walk Among The Dead”, apesar das boas melodias, fica um pouco abaixo das anteriores. Parece que falta algo a mais. “All We Know Is Not” traz qualidade de volta ao álbum, e se destaca pelos ótimos riffs e melodias, enquanto “Gaia”, um interlúdio, é responsável por abrir a suíte intitulada The Tragedy Man, que encerra o trabalho com as faixas “Justify”, com bons riffs e refrão, “Bloodshed In Paradise”, bem diversificada e com clima épico e “Farewell”, a única canção de todo o trabalho com elementos orquestrais e que se encaixaria sem dramas em Lingua Mortis (96). De bônus, temos um CD com 6 regravações de canções do Avenger.

A produção ficou a cargo da própria banda, com a mixagem e masterização realizadas por Dan Swanö (Edge Of Sanity, Dissection, Incantation, Novembers Doom, Katatonia). O resultado é verdadeiramente bom, pois aliou peso, agressividade e clareza. Já a capa, assim como no álbum anterior, foi obra de Karim König. Despojado e bem à vontade, o Rage nos apresenta em Seasons Of The Black um trabalho cativante e que vai render bons minutos de divertimento.

NOTA: 8,0

Rage é:
-  Peter "Peavy" Wagner (vocal, baixo);
- Marcos Rodríguez (guitarra);
- Vassilios "Lucky" Maniatopoulos (bateria)

Homepage
Facebook
Twitter
Instagram
YouTube


quarta-feira, 6 de dezembro de 2017

Necromancer - Forbidden Art (2014)


Necromancer - Forbidden Art (2014)
(Heavy Metal Rock – Nacional)


01. Necromantia (Intro)
02. Necromancer
03. Deadly Symbiosis
04. Dark Church
05. Havocs and Destruction
06. Middle Ages
07. Plundered Society
08. The Rival
09. Desert Moonlight

O Necromancer é um veterano de nossa cena, e quem acompanhou o underground carioca dos anos 80 e 90, certamente já conhece a banda ao menos de nome. Fundada no ano de 1986, tendo gravado as demos Demo I (86), Dark Church (87), Science of Fear (93) e Victims of Deranged Maneuverings (96), a banda passou por todas as dificuldades inerentes ao período e chegou a encerrar as atividades, entrando em um hiato que teve fim no ano de 2012.

Com o seu retorno, finalmente teve a oportunidade de 2 anos depois, soltar esse que é seu mais que merecido debut, intitulado Forbidden Art. Caso você desconheça o trabalho do grupo, o que temos aqui é um Death/Thrash com óbvias e nítidas influências oitentistas (afinal, surgiram nessa época), pesado, enérgico, com vocais que transbordam raiva, riffs absurdamente agressivos (que remetem fortemente à escola alemã) e uma parte rítmica que se mostra técnica, coesa e consistente.

Vale dizer que das 8 faixas aqui presentes (descontando a introdução), mais da metade saíram diretamente das antigas demos da banda, sendo que apenas “Havocs and Destruction”, “Middle Ages” e “The Rival” são inéditas. Apesar do tempo que separa essas composições das demais, temos aqui uma sonoridade bem homogênea, pois, todas as faixas mantêm seus pés muito bem fincados nos anos 80. Pesa a favor também a variedade que presenciamos aqui, já que o Necromancer equilibra muito bem passagens mais velozes com outras mais cadenciadas, evitando assim que a audição se torne cansativa.


Os destaques inevitáveis ficam para “Necromancer”, forte, rápida e com ótimos riffs, a raivosa e pesada “Deadly Symbiosis”, que possui uma levada um pouco mais “cadenciada”, a aula de Thrash intitulada “Havocs and Destruction”, com um ótimo trabalho tanto das guitarras quanto da bateria, “Middle Ages”, simplesmente furiosa, e a brutal “The Rival”. A produção, que ficou a cargo de Fernando Perazo, acaba sendo muito bem equilibrada, deixando tudo audível, mas com a sujeira necessária à proposta do Necromancer. Já a capa é mais um belo trabalho do renomado Marcelo Vasco. Não temos aqui a reinvenção da roda, até porque isso é algo desnecessário, mas sim uma verdadeira aula de Death/Thrash, feito por quem entende de verdade do riscado. Imperdível!

NOTA: 8,5

Necromancer (gravação):
- Marcelo Coutinho (vocal);
- Luiz Fernando (guitarra);
- Alex Kafer (guitarra, baixo e bateria).

Necromancer é:
- Marcelo Coutinho (vocal);
- Luiz Fernando (guitarra);
- Alex Kafer (guitarra);
- Gustavo Fernandes (baixo);
- Vinicius Cavalcanti (bateria).

Facebook
Twitter
YouTube


Obscurity Vision - Obscurity Creation (2002/2016) (Demo)


Obscurity Vision - Obscurity Creation (2002/2016) (Demo)
(Independente - Nacional)


01 – Obscurity Creation
02 – Slow Agony
03 – Last Chance To Life
04 – Dark Victory Day
05 – I Can See (Bonus Track 2016)

A vida de uma banda no underground brasileiro nunca é fácil quando falamos de Heavy Metal, um estilo visto com preconceito por muitos, uma espécie de pária musical no que tange nosso país, que valoriza estilos mais populares. Apesar de desconhecido da grande maioria, o Obscurity Vision já é uma banda veterana, tendo surgido no distante ano de 1997 na cidade de Balneário Rincão/SC, mas que, por essas vicissitudes da vida, acabou passando por um longo hiato na carreira.

Para marcar essa nova fase em sua carreira resolveu relançar sua única Demo, Obscurity Creation, originalmente do ano de 2002, com a adição de uma faixa bônus lançada pelo grupo no ano passado. Musicalmente, temos um Black/Death (pendendo mais para o primeiro) bem agressivo, bruto e direto, mas que em momento algum abre mão de algumas melodias, que surgem aqui e ali durante a audição. Os vocais de Rafael Vicente alternam entre o gutural e o rasgado, enquanto a guitarra de Luiz Rodrigues não só é responsável por bons riffs, como também por boas melodias. A parte rítmica, com o baixista Daniel Machado e o baterista R. Nunes, possui uma técnica razoável, mas nada exagerada e prima pela coesão e correção.


Das 4 faixas originais, os destaques ficam por conta da enérgica “Slow Agony” e de “Dark Victory Day”, que prima pelo bom trabalho de guitarra. Já “I Can See”, faixa mais nova, mostra uma sonoridade pendendo mais para o Death Metal Tradicional do que para o Black, dando uma amostra do que esperar do futuro. Posso dizer que o mesmo parece muito promissor, e cabe agora esperar o prometido novo trabalho do grupo.

Do ponto de vista de produção, não tem muito que falar. Trata-se de uma gravação de 2002, quando tudo era mais difícil e a qualidade não é das melhores se comparada com o que temos hoje. Quem viveu essa época, sabe que não era possível ir muito além. No fim, temos em mãos um bom registro histórico, um retrato de uma época onde tudo era ainda mais difícil para uma banda de Metal, e onde cada pequena conquista (como um lançamento de uma Demo) era uma grande vitória ante todas as imensas dificuldades.

NOTA: 7,0

Obscurity Vision é (gravação):
- Rafael Vicente (vocal);
- Luiz Rodrigues (guitarra);
- Daniel Machado (baixo);
- R. Nunes (bateria).

Obscurity Vision é:
- Rafael Vicente (vocal);
- Luiz Rodrigues (guitarra);
- João Rodriguez (guitarra);
- Luiz Trentin (bateria).

Homepage
Facebook
Instagram
YouTube


segunda-feira, 4 de dezembro de 2017

Prong - Zero Days (2017)


Prong - Zero Days (2017)
(Shinigami Records/SPV/Steamhammer - Nacional)

01. However It May End
02. Zero Days
03. Off the Grid
04. Divide and Conquer
05. Forced Into Tolerance
06. Interbeing
07. Blood Out of Stone
08. Operation of the Moral Law
09. The Whispers
10. Self Righteous Indignation
11. Rulers of the Collective
12. Compulsive Future Projection
13. Wasting of the Dawn
14. Reasons to Be Fearful (Bonus Track)

Sinceramente, eu queria ter o ânimo do vocalista e guitarrista Tommy Victor. O cara simplesmente parece não parar e de 2012 para cá, já lançou com o Prong nada menos que 5 álbuns de estúdio, Carved in Stone (12), Ruining Lives (14), Songs from the Black Hole (15), X – No Absolutes (16) e esse Zero Days, além de um trabalho ao vivo, Unleashed in the West (14). Fora isso, gravou mais 2 álbuns de estúdio com o Danzig. Só de escrever, já cansei.

O Prong sempre marcou sua carreira pela ousadia e por explorar novas fronteiras musicais, tanto para o bem quanto para o mal, e não dá para dizer que sua mistura de Thrash, Hardcore, Groove e Industrial seja leviana, já que resultou ao menos em dois trabalhos verdadeiramente clássicos, Prove You Wrong (91) e Cleansing (94). A partir de Ruining Lives, podemos dizer que começaram a inserir algumas tendências mais comerciais em seu som, algo que se consolidou definitivamente em X – No Absolutes, com resultados em sua maioria bem positivos.

Zero Days mantém essa pegada, de unir aquele Prong do passado com esse mais atual, dos últimos álbuns. Tommy Victor continua um vocalista ímpar e mostra uma abordagem vocal muito variada, além de compor alguns riffs de primeiríssima qualidade. E vale dizer que mesmo com as melodias mais acessíveis, o peso e a agressividade continuam se fazendo bem presentes. A parte rítmica, com o estreante Mike Longworth (baixo) e Arturo "Art" Cruz (bateria), mostra a categoria e competência que lhe é esperada, com um ótimo desempenho de ambos.

Durante a audição, podemos dizer que é possível notar alguma inconstância. A verdade é que a primeira metade do álbum é excelente, com canções de ótima qualidade, mas a metade seguinte dá uma caída, com alguns momentos que realmente não funcionam. A sequência inicial, com as ótimas “However It May End”, “Zero Days” e “Off the Grid” se destaca pela agressividade, intensidade e pelos bons riffs. “Divide and Conquer” consegue mesclar o velho e o novo, soando bem pesada, mas com um refrão altamente acessível. “Forced Into Tolerance” é um Thrash com padrão Prong de qualidade, esbanjando energia, enquanto “Interbeing” tem qualidade de sobra e ótimos riffs. Daí para a frente começa a montanha russa. 


Tommy, por algum motivo, parece ter criado certa fixação com o Linkin Park, já que vários momentos de “Blood Out of Stone” remetem ao mesmo. Já não havia dado certo em X – No Absolutes, com “With Dignity”, e aqui também não funcionou. Felizmente, “Operation of the Moral Law” volta a elevar o nível do trabalho, esbanjando muito peso. “The Whispers” é possivelmente a mais acessível de todas as canções aqui presentes e soa bem moderna, mas funciona surpreendentemente bem, enquanto “Self Righteous Indignation” se mostra bem suja e pesada, mas sem empolgar tanto. “Rulers of the Collective” possui um bom groove e se utiliza de alguns elementos eletrônicos, mas padece do mesmo problema da faixa anterior. A sequência final volta para colocar tudo em seu devido lugar, com as boas melodias de “Compulsive Future Projection” e “Wasting of the Dawn”, que faz um ótimo uso dos recursos eletrônicos, além de possuir bons riffs. Na versão nacional, temos de bônus a boa “Reasons to Be Fearful”, com suas melodias acessíveis.

Repetindo o trabalho anterior, a produção ficou a cargo da dupla Tommy Victor e Chris Collier, sendo que esse último também foi responsável pela masterização e da mixagem, que mantêm a qualidade que escutamos em X – No Absolutes, com tudo claro, audível e pesado. E mostrando que gosta de continuidade, mais uma vez a capa foi feita por Sebastian Rohde. Consolidando essa mescla de peso e acessibilidade, o Prong mais uma vez agrada e, se não tem o brilhantismo de meados dos anos 90, ainda assim soa agradável e passa longe de fazer feio. Quem é fã, certamente irá aprovar.

NOTA: 8,0

Prong é:
- Tommy Victor (vocal/guitarra);
- Mike Longworth (baixo);
- Arturo "Art" Cruz (bateria).

Homepage
Facebook
Instagram
Twitter
YouTube

Mugo - Race of Disorder (2017)


Mugo - Race of Disorder (2017)
(Independente - Nacional)


01. Race Of Disorder
02. Seeds Of Pain
03. Corruption
04. Sanguessugas
05. Deliverance
06. Think Twice
07. Terra De Ninguém
08. Elo Quebrado

Surgido no ano de 2006 em Goiânia/GO, o quarteto Mugo, atualmente formado por Pedro Cipriano (vocal), Guilherme Aguiar (guitarra), Faslen de Freitas (baixo) e Weyner Henrique (bateria), chega ao seu 3º álbum de estúdio mostrando evolução se comparado aos seus dois trabalhos anteriores, Go to the Next Floor (09) e The Overwhelming End (12).

Musicalmente, o que temos aqui é uma mescla bem interessante e ampla de estilos como Thrash, Death e Groove, com alguns toques de Hardcore e até mesmo Djent. A alternância entre momentos mais velozes e outros mais cadenciados dá uma variedade muito legal ao som do quarteto, característica que pode também ser notada nos ótimos vocais de Pedro, que vão do rasgado ao gutural, mas sempre soando absurdamente agressivos. A guitarra de Guilherme faz um belíssimo trabalho no que tange aos riffs, enquanto a parte rítmica, com Faslen e Weyner, se mostra bem técnica, coesa e pesada, passando muita segurança às composições.

“Race of Disorder” abre o álbum de forma pesada e bruta, com ótimo groove e riffs tipicamente Thrash, enquanto a ótima “Seeds Of Pain” trafega com naturalidade entre o Groove e o Death Melódico. Já a rápida “Corruption” escancara as influências Hardcore da banda e tem um ótimo trabalho da bateria. E não se deixe enganar pelo começo mais cadenciado de “Sanguessugas”, pois quando ela explode em velocidade, fica parecendo uma betoneira sem freio descendo uma ladeira. Simplesmente brutal e com um groove que em muitos momentos contagia. É a primeira das canções cantadas em português.


“Deliverance” soa bem variada, já que é outra que mescla com muita competência bases mais velozes com passagens cadenciadas, além de possuir riffs marcantes. “Think Twice” é outra que esbanja groove, além de possuir melodias bem interessantes e um ótimo refrão. Na sequência final, mais duas canções cantadas em nossa língua pátria: primeiro, a violenta “Terra de Ninguém”, com um refrão totalmente Hardcore e muito peso, e encerrando, “Elo Quebrado”, cadenciada, opressiva e bruta.

Produzido por Ciero e com masterização e mixagem realizadas por Franscisco Arnozan, o resultado final é totalmente condizente com a proposta adotada pela banda, com todos os instrumentos soando claros, pesados e muito bem timbrados. Já a parte gráfica foi obra da Xtudo Obze Artwork, com tudo sendo embalado em um digipack bem caprichado. Mostrando uma sonoridade bem variada, moderna e empolgante, o Mugo acerta em cheio com Race of Disorder, lançando um dos álbuns nacionais mais legais desse ano de 2017.

NOTA: 8,5

Mugo é:
Pedro Cipriano (vocal);
Guilherme Aguiar (guitarra);
Faslen de Freitas (baixo);
Weyner Henrique (bateria).

Facebook
Bandcamp
Soundcloud
YouTube


domingo, 3 de dezembro de 2017

Melhores álbuns – Novembro de 2017


No primeiro domingo de cada mês o A Música Continua a Mesma fará uma lista com os melhores álbuns do mês anterior. Nela, respeitaremos as datas oficiais de cada lançamento, então sendo assim, não contaremos a data que os mesmos vazaram na internet, mas sim quando efetivamente foi ou será lançado.

Sendo assim, ai vão os melhores lançamentos de novembro na opinião do A Música Continua a Mesma.

 
 
 
 
  
 
    

Menções Honrosas

Cavalera Conspiracy - Psychosis